Acesso ao sistema

Esqueceu sua senha? Clique aqui

Ainda não é cadastrado?

Após cadastrado, o CPF não pode ser alterado.
Digite uma nova senha:

Online |

Porecatu

Homem encontrado em fazenda de Galvão Bueno foi assassinado, diz delegado

De acordo com o delegado que investiga o caso, a vítima apresentava sinais de ferimento de arma branca. Corpo foi encontrado na terça-feira (28)

  • Daniel Costa
  • 29/07/2009 12:08

A Polícia Civil informou, na manhã desta quarta-feira (29), que o homem encontrado morto no pasto de uma fazenda em Porecatu, Norte do estado, foi assassinado. O corpo da vítima, identificada como João Carlos da Silva, 44 anos, foi achado na manhã da terça-feira (28), em uma propriedade da família do apresentador e narrador esportivo Galvão Bueno.

Segundo o delegado Cláudio Marques, que investiga o caso, Silva teria sido morto com golpes de arma branca. “Estamos fazendo diligências na área para podermos encontrar as roupas e objetos pessoais da vítima, uma vez que ela foi encontrada nua. Isso está dificultando um pouco as investigações”, comentou.

Marques afirmou que Souza residia em um distrito de Porecatu e teria chegado a um acampamento de trabalhadores sem terra no domingo (26). “Ele fez a inscrição e depois desapareceu, sendo encontrado somente na terça-feira. Ainda não temos suspeitos nem o motivo do crime”, disse.

Na terça-feira (28), o sogro de Galvão Bueno, Eraldo Soares, que ajuda a administrar a fazenda, contou ao JL que percebeu algo estranho em razão da movimentação de muitas aves. “Muitos urubus começaram a sobrevoar o pasto e o gado começou a se aglomerar. Então mandei o campeiro verificar se havia algum animal morto”, afirmou. Assim que descobriu o corpo, eles comunicaram a polícia, para tomar as providências necessárias.

Ao encontrarem o corpo, os investigadores da polícia disseram que a causa da morte poderia ter sido o consumo excessivo de bebida alcoólica.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Londrina para análise. O laudo deve ficar pronto em 15 dias.

Abrir comentários