Esqueceu sua senha? Clique aqui

Ainda não é cadastrado?

Após cadastrado, o CPF não pode ser alterado.
Digite uma nova senha:

Mundo |

África

Mortes "devem cessar" na fronteira entre Sudão e Sudão do Sul, diz Obama

A tensão continua sendo muito alta entre os dois países, que não conseguiram resolver pela via diplomática

  • Folhapress
  • 23/04/2012 14:07

O presidente americano, Barack Obama, afirmou hoje que "as mortes de inocentes devem cessar" nas zonas fronteiriças entre Sudão e Sudão do Sul, enquanto convocou Cartum e Juba a negociar para pôr fim à violência.

"Em Darfur, Abyei, Cordofão do Sul e Nilo Azul as mortes de inocentes devem cessar. Os presidentes de Sudão e Sudão do Sul devem ter a coragem de negociar porque os povos do Sudão e do Sudão do Sul merecem a paz", disse Obama no Museu do Holocausto judeu, em Washington.

A tensão continua sendo muito alta entre os dois países, que não conseguiram resolver pela via diplomática certas questões relativas à divisão, como, por exemplo, o traçado da linha fronteiriça e a repartição dos lucros petroleiros.

Mais cedo nesta segunda-feira (23), cerca de 1.200 soldados sul-sudaneses morreram em combates registrados na disputada zona petroleira e fronteiriça de Heglig, anunciou o comandante do Exército sudanês, Kamal Maruf, sem fornecer o número de baixas que suas próprias fileiras teriam sofrido.

"O número de mortos é de 1.200 para o SPLM", os antigos rebeldes do sul, que ostentam o poder no Sudão do Sul desde a divisão em julho de 2011, declarou este responsável militar perante 2.000 soldados, durante uma visita a Heglig.

Abrir comentários