Esqueceu sua senha? Clique aqui

Ainda não é cadastrado?

Após cadastrado, o CPF não pode ser alterado.
Digite uma nova senha:

Londrina |

Trânsito

Carros recordistas em multas podem ir a leilão em Londrina

As multas dos dois veículos somam mais de meio milhão de reais

Fábio Calsavara
  • Fábio Calsavara
  • 01/05/2012 14:53

Dois carros de Londrina estão entre os campeões de multas do Paraná e podem ser leiloados se os proprietários não se apresentarem ou quitarem os débitos com o Departamento de Trânsito (Detran) nos próximos dias. Uma Captiva, ano 2010, já foi apreendida pelo órgão. O outro, um Polo Sedan, ano 1998, ainda está circulando na cidade.

De acordo com o chefe do Detran de Londrina, Márcio Sandoval, o primeiro veículo soma um total de R$ 270,2 mil em multas, cerca de três vezes o valor do próprio automóvel, estimado em R$ 90 mil. "A maioria dessas multas é por falar ao celular no trânsito. Para complicar ainda mais, a condutora do veículo, no momento da apreensão, confirmou que não tinha habilitação para dirigir", contou Sandoval.

O outro carro, que ainda não foi apreendido, apresenta mais de R$ 406 mil em multas referentes à infrações como excesso de velocidade e desrespeito à sinalização. O chefe do Detran explicou que o endereço do proprietário não está mais disponível no banco de dados do órgão. "Hoje, esses dados só são acessados através de medidas judiciais. Mais cedo ou mais tarde ele vai cair em uma blitz, e então será apreendido também", disse.

Se os infratores não se apresentarem ao Detran para regularizar a situação, os veículos serão leiloados. Como informou Márcio Sandoval, o valor pago pelos futuros compradores não vai quitar as dívidas dos carros. "Esse leilão vai servir para pagar as custas com o armazenamento dos veículos nos pátios do Detran. As multas continuam valendo, e serão inscritas na dívida ativa do Estado.

Quem comprar os carros no leilão vai ter um veículo livre de multas, mas o antigo proprietário terá que arcar com esse valor", confirmou.

Sandoval fez um alerta aos vendedores de carros para que façam a comunicação de venda ao Detran. Segundo ele, quando alguém vende um veículo, deve fazer a comunicação de venda, mostrando que não tem mais responsabilidade sobre o carro. Mesmo que o comprador não faça a transferência, é ele quem vai arcar com todas as infrações que porventura venha a cometer.

No caso da Captiva, o chefe do Detran informou que a condutora comprou o carro de uma concessionária e não fez a transferência, mas a empresa comunicou a venda. "Por isso, quem deve pagar as multas é a motorista", explicou.

Abrir comentários