Brasil

Onça atropelada pela segunda vez em rodovia morre

Animal, que ficou conhecido em 2009 após ser atropelado na rodovia de mesmo nome no interior de São Paulo, morreu depois de ser atropelado mais uma vez

12/05/2012 | 10:43 Folhapress

A onça Anhanguera, que ficou conhecida em 2009 após ser atropelada na rodovia de mesmo nome no interior de São Paulo, morreu depois de ser atropelada mais uma vez, na rodovia dos Bandeirantes, há três semanas.

A informação foi divulgada ontem pela Associação Mata Ciliar, que cuidou de Anhanguera e monitorou seu retorno à Serra do Japi, em Jundiaí (58 km de São Paulo).

Macho da espécie suçuarana, a onça tinha cerca de três anos e foi encontrada morta em meio a duas pistas na altura de Jundiaí, km 55, no dia 18 de abril.

A concessionária AutoBAn, que administra a rodovia, levou o animal de volta para a ONG. Foi lá que a identidade e os danos causados a ele foram identificados.

Anhanguera teve traumatismo craniano, fraturas na coluna, ruptura do diafragma e danos no fígado, mas sem lesões aparentes, segundo a coordenadora de fauna da Mata Ciliar, Cristina Harumi Adania.

Em setembro de 2009, a captura paralisou a rodovia Anhanguera. Depois do tratamento, ela passou por um processo de readaptação e foi solta em março do ano passado, após ter ganhado um chip na pele e um rádio-colar para ser monitorada.

Segundo Adania, a ONG fez o monitoramento desde então, mas a bateria do equipamento acabou. Para ela, a história da onça é um símbolo de outros casos cada vez mais frequentes na região.

Leia também
Últimas Notícias rss
00:48PrimeiroCandidatos avaliam positivamente...
00:35Governo do ParanáCandidatos partem para ...
00:35showAdriano Grineberg lança CD com show ...
00:28teatroPeça narra histórias recolhidas no...
00:10Massas & carnesRestaurante Bollogna acab...
00:06frases"Esse asfalto não foi eu que fiz"
00:05cartasLei Cidade Limpa não vale para pro...
00:04homenagemDalton marcou a história de Lon...
00:03ponto de vistaAgosto Azul: foco na saúde...
00:03Dia de CrônicaEla não sabia